fbpx

Blog

Podem as plantas purificar o ar?

annie-spratt-S7viz8JWxwY-unsplash

Remover toxinas e poluentes e renovar a qualidade do ar não é um conceito moderno, que surgiu com a invenção dos purificadores de ar…! Desde sempre, a Natureza tem sido o seu próprio elemento renovador, e, por isso, existe uma solução natural para a renovação do ar e a eliminação de poluentes. Mas será que é suficiente?

A qualidade do ar interior

Já muito temos falado sobre a importância de conhecer a qualidade do ar e de controlar e calcular os índices poluentes, especialmente tendo em conta o tempo que passamos dentro dos edifícios.

A Organização Mundial de Saúde até já deu nome a este fenómeno: o Síndroma dos Edifícios Doentes, um conjunto de doenças e condições causadas ou ampliadas pela poluição do ar em espaços fechados, onde passamos a maioria do nosso tempo.

Porque existem tantos poluentes em espaços fechados?

Dentro dos edifícios existe uma maior probabilidade de encontrarmos os chamados COVs – compostos orgânicos voláteis – inimigos pequeninos e invisíveis a olho nu, causadores destas doenças.

Os edifícios são terrenos férteis para os COVs devido à grande concentração de substâncias químicas libertadas por uma panóplia de fatores: desde os nossos tapetes, aos materiais de construção e tintas aplicadas, até aos nossos móveis, eletrodomésticos, e mesmo os nossos companheiros animais… É por isso que se aconselha arejar os edifícios pelo menos dez minutos por dia.

Estas são as principais substâncias tóxicas encontradas no ar interior:

  • Tricloroetileno: Encontrado em tintas, vernizes e adesivos. Pode provocar tonturas, dores de cabeça, náuseas, sonolência e até levar ao coma.
  • Formaldeído: Encontrado em sacos, toalhas, lenços de papel, guardanapos, tecidos sintéticos e móveis de derivados de madeira. Pode causar irritação no nariz, na boca, na garganta e, nalguns casos, até mesmo inchaço da laringe e inflamação dos pulmões.
  • Benzeno: Utilizado no fabrico de produtos de plástico, corantes, detergentes e fibras sintéticas. Encontrado também no fumo do tabaco, no escape dos carros e em muitos outros produtos. Pode causar irritação nos olhos, sonolência, tonturas, aumento do ritmo cardíaco, dores de cabeça e, nalguns casos, pode deixar a pessoa inconsciente.
  • Xileno: Pode ser encontrado em tintas de impressão, borracha, couro, fumo de tabaco e escapes de carros. Os sintomas causados variam desde irritação na boca e na garganta, até tonturas, dores de cabeça e confusão. Nalguns casos, originam problemas no coração, no fígado ou nos rins e podem mesmo levar ao coma.
  • Amoníaco: Encontrado numa grande variedade de itens domésticos, como produtos de limpeza, ceras e fertilizantes. Quando inspirado, o gás pode causar irritações e dificuldades respiratórias, broncoespasmos, queimaduras da mucosa nasal, da laringe, da faringe, dor no peito ou edema pulmonar.

Como podem as plantas ajudar?

A introdução de determinadas plantas nos espaços interiores pode ajudar a melhorar a qualidade do ar, especialmente no inverno, quando arejar se pode tornar mais complicado.

Em 1989, a NASA divulgou um estudo que apresentava as plantas mais indicadas para a missão de renovar o ar em espaços fechados, bem como as mais úteis no auxílio da humidificação do ar – contudo, é importante realçar que este estudo tem 30 anos e foi feito apenas em ambiente de laboratório.

Que plantas podem ajudar?

A Palmeira-Bambu é uma boa opção para espaços interiores. Natural da América Central e México, esta planta é difícil de encontrar no nosso país dada a sua preferência por climas mais tropicais e húmidos.

Atua como um humidificador natural, filtra os tricloroetilenos e o benzeno, e elimina os formaldeídos e os xilenos.

O tamanho da Palmeira-Bambu pode variar – na Bluway pode encontrar uma versão juvenil e uma versão adulta.

 

Respondendo à pergunta inicial: podem as plantas purificar o ar?

Os estudos da NASA foram feitos em laboratório e, por isso, o ambiente não é uma reprodução fiel do que acontece em ambiente doméstico ou de trabalho.

Para responder a esta pergunta, é preciso calcular a taxa de entrega de ar limpo (o CADR) de cada planta. O Clean Air Delivery Rate mede a quantidade de ar limpo libertado para o ambiente por um determinado purificador, num determinado período de tempo.

Segundo a National Geographic, após feita esta análise, foi possível concluir que, apesar de removerem os COVs, as plantas fazem-no tão lentamente que não o conseguem fazer a um ritmo competitivo, comparativamente a sistemas de circulação de ar existentes nos edifícios e disponíveis no mercado. Para tal, seriam necessárias imensas plantas.

Apesar de não serem, só por si, uma solução para a purificação doa ar, as plantas são, certamente, uma bom complemento a soluções de purificação do ar existentes no mercado.

 

Descubra todas as soluções Bluway para purificação do ar.

Mais informações
Partilhar
Share on facebook
Share on linkedin

Artigos relacionados

Há longos anos que nos deparamos com a dificuldade em definir a “boa qualidade do ambiente interior”. E no que diz respeito a este conceito, muitos são os fatores promotores[...]

Os painéis solares fotovoltaicos são uma possibilidade viável caso pretenda produzir a sua própria energia elétrica, consumir uma energia limpa e poupar dinheiro a longo prazo. Com painéis fotovoltaicos é[...]

Temos vindo a defender a máxima de que a mudança começa em nós mesmos, acreditamos realmente que pequenos gestos podem mudar o mundo. Pequenas alterações nas nossas rotinas, em casa,[...]

X
Add to cart